Khadi: a roupa indiana artesanal símbolo da independência da Índia

4 minutos para ler

Quem acompanha o nosso blog, já conhece bem a história por trás da independência da Índia e a influência de Mahatma Gandhi nesse movimento. Se você ainda não leu sobre, dê um pulo neste texto aqui. Por lá, contamos sobre como o líder pacifista indiano incentivou o povo a consumir produtos feitos pelos próprios indianos e rejeitar itens feitos no exterior. Como forma de provar a autossuficiência do país perante à Inglaterra, Gandhi promoveu, por exemplo, a fiação do tecido Khadi, e o uso dele na produção das vestimentas do povo indiano.

Afinal, o que é o Khadi?

Khadi significa algodão e é um tecido fabricado manualmente pelo povo hindu. Na composição do tecido podem ter matérias-primas como algodão, seda, ou até mesmo lã. A fiação ocorre em rodas de fiar chamadas de Charkha. O tecido é bem versátil, já que é fresco durante o verão e quente no inverno.

O tecido compõe vestimentas populares na Índia e até os dias atuais o Khadi é exaltado por designers de moda, que comparam a qualidade do tecido aos de algodão egípcio, por exemplo.

Mas as descrições do Khadi vão muito além de um simples tecido produzido em solo indiano! As roupas indianas feitas com esse material tiveram forte destaque em toda a trajetória de Mahatma Gandhi durante o movimento de independência da Índia.

Khadi e a independência da Índia

A luta pela independência indiana ganhou ainda mais força por volta dos anos 1900, com as ações de Mahatma Gandhi. Diversas movimentações nasceram nesse período, como o movimento Swadeshi, que teve destaque por reforçar e desenvolver o nacionalismo indiano.

Este movimento teve início em 1906 e foi uma das ações de maiores sucesso contra o domínio britânico. A organização e a liderança se deu principalmente por Aurobindo Ghosh, Bal Gangadhar Tilak, Bipin Chandra Pal, Lala Lajpat Rai, VO Chidambaram Pillai e Babu Genu, que, assim como Gandhi, lutavam pela independência na frente da Índia.

A palavra Swadeshi é uma junção de duas palavras sânscritas: “Swa” e “Desh”, que significam “eu” / “próprio” e “país”, respectivamente. Uma tradução livre para o termo seria: “do próprio país”. O maior objetivo era incentivar o povo indiano a consumir produtos produzidos em solo nacional, independente se forem alimentos, vestimentas, objetos. A ideia era reduzir o poder da Inglaterra por meio do comércio.

Swadeshi foi o principal foco de Gandhi em suas lutas pacíficas! O alvo principal do líder foram as vestimentas.

Nas duas primeiras décadas do século XX, Mahatma Gandhi, junto a políticos nacionalistas, convenceu o povo indiano a boicotar o uso dos tecidos estrangeiros. A intenção do líder era movimentar a produção do Khadi, que, como comentamos acima, trata-se de um tecido produzido manualmente por tecelões hindus, que em grande parte se encontravam no interior do país.

O movimento Khadi começou a gerar o auto-emprego rural e a auto-suficiência indiana, já que não usavam tecidos fabricados industrialmente na Grã-Bretanha. Isso tornou o Khadi parte integrante e um ícone do Swadeshi.

Para incentivar a produção e o uso de vestimentas criadas com o Khadi, Mahatma Gandhi passou a se vestir apenas com roupas fabricadas com o tecido, e não somente o tradicional Dhoti (uma vestimenta usada por vários homens na Índia), mas também outros artigos, como xales, para quando o clima esfriava.

Até os dias atuais, o Khadi é popular na Índia e de acordo com um censo feito em 2017, um total de 460.000 pessoas foram empregadas em indústrias que produzem o tecido. A produção e as vendas aumentaram 31,6% e 33% em 2017 se comparadas a 2016.

Nas grandes cidades hoje em dia você pode visitar lojas de Khadi, onde você encontra roupas indianas, incensos, lenços, sabonetes, shampoos e outros, produzidos manualmente na Índia. Até hoje é um símbolo de resistência à colonização e orgulho do pais.

Para você que gosta de roupas indianas, vem conhecer os modelos disponíveis na Casa da Índia. Clique aqui e acesse nossa loja virtual, ou venha nos visitar em nossa loja física, em Belo Horizonte.

Você também pode gostar

Deixe um comentário