Saiba mais sobre as 6 principais religiões indianas

8 minutos para ler

As religiões indianas são ricas e oferecem uma série de interpretações sobre a vida que muitas religiões ocidentais não apresentam. No entanto, não é incomum encontrar pessoas que confundem as diferentes crenças da Índia, visto que cada uma delas são compostas por conceitos que por vezes estão diretamente relacionados.

Isso acontece porque a Índia é um país com grande diversidade religiosa em razão de ser uma das civilizações mais antigas, fazendo com que os conceitos míticos e expressões de fé tenham mais força nesse país do que em outras regiões do mundo. Por isso, desenvolvemos este artigo com as principais religiões para você aprofundar os seus conhecimentos na área. Confira!

1. Hinduísmo

O hinduísmo é a religião mais conhecida entre a cultura ocidental, já que é a crença que apresenta o maior número de adeptos no país. No entanto, não é a mais antiga: diversos conceitos utilizados nos textos sagrados foram originados de outras abordagens, sobretudo o vedismo e o bramanismo — que explicaremos mais à frente!

Nesse sentido, o hinduísmo é extremamente múltiplo e apresenta conceitos filosóficos aprofundados. Por exemplo, para eles, a divindade é concebida como panteísta, ou seja, não apresenta uma forma humana ou conhecida, ela é uma força que permeia tudo e todos. Por outro lado, o conceito politeísta se faz presente, evidenciando a quantidade de deuses que são cultuados.

Aqui, existe uma trindade que exerce um grande poder dentro dos textos sagrados, chamada Trimurti. Formada por Brahma, Vishnu e Shiva, ela representa a união do Criador, Preservador e Destruidor, respectivamente. No entanto, ainda que Brahma represente aquele que criou o universo, por ser uma figura que está além da nossa compreensão, ele não é tão cultuado como Vishnu e Shiva.

Dessa forma, é compreensível que os dois Deuses estejam mais próximos da humanidade do que Brahma, já que Vishnu é aquele que protege e mantém a ordem do Universo por meio dos seus Avatares — sendo um deles Krishna —, enquanto que Shiva é o Deus que zela pelo equilíbrio do Universo enquanto a destruição não ocorre.

É por isso que Shiva é um dos Deuses que mais recebe oferendas e sacrifícios, afinal, ele torna-se responsável por destruir o Universo que conhecemos para que Brahma possa estabelecer um novo campo em que todos vivem em harmonia

2. Islamismo

Uma das religiões mais praticadas na Índia é o Islamismo, ficando somente atrás o hinduísmo. Estabelecido no país desde o ano de 629, a religião se fortaleceu em função da grande população muçulmana na região, que se consolidou a partir das relações comerciais estabelecidas entre os árabes e os indianos. Assim, a expansão religiosa tomou forma e hoje contribui para o fortalecimento da fé islâmica. 

O islamismo é, então, uma religião fundada pelo profeta Maomé, que desenvolveu uma crença monoteísta por meio da sua peregrinação pelas terras sagradas. Com a pregação dos seus ensinamentos, Maomé utilizou algumas bases do Cristianismo para fundar essa religião, conquistando a fé da população muçulmana.

3. Sikhismo

Diferentemente das outras religiões indianas, o sikhismo é conhecido por considerar a existência de apenas um Deus. No entanto, a crença aponta que ele apresenta uma grandiosidade além da compreensão humana, fazendo com que os sikhs não tenham nenhuma representação divina, já que não conhecem a sua aparência.

Aqui, o karma também é adotado, ainda que apresente interpretações diferenciadas em relação às outras religiões. Nós explicamos: no sikhismo, o karma nada mais é do que a crença de que todos podemos reencarnar como outros seres (animais ou plantas) a partir do nível de desenvolvimento espiritual que temos.

É por isso que o karma no sikhismo tem como finalidade da interrupção de samsara, ou seja, o fim da roda das reencarnações e a união a Deus. Nesse sentido, o principal objetivo dos rituais não é a busca pela ascensão ao mundo celestial, ou o início de uma vida sem sofrimento, é a volta da convivência com Deus para sentir sua bondade e paz eterna.

4. Budismo

Outra religião muito conhecida no ocidente é o Budismo, todavia, ela não é tão praticada na Índia quanto essa parte do mundo acredita, pois só é praticado por 2% da população. A sua criação não apresenta uma figura divina que veio à Terra, todas as crenças, filosofias e rituais são pautados na experiência de Siddharta Gautama teve quando alcançou o nirvana, tornando-se o Buda.

Então, o que é o nirvana? De forma breve, o budismo o concebe como o estado máximo de conexão com a energia divina, despertando um forte sentimento de paz e equilíbrio. Para isso, Buda acreditava que os seres deveriam evitar todos os extremos, aprendendo a viver o caminho para evitar a roda da vida. Tal caminho é dividido em oito momentos:

  • compreensão correta;
  • pensamento correto;
  • fala correta;
  • ação correta;
  • meio de vida correto;
  • esforço correto;
  • atenção correta;
  • concentração correta.

Dessa maneira, o budismo apresenta três fundamentos básicos que sustentam o dia a dia dos praticantes: a lei do karma, reencarnação e samsara, também chamada de roda das encarnações. Isso quer dizer que todos as ações realizadas na Terra repercutem nas vidas futuras, fazendo com que a reencarnação apareça como uma possibilidade de purificação do karma.

Além disso, a doutrina búdica apresenta quatro pilares fundamentais, originados no Sermão de Benares, um momento em que Buda pregou para os ascetas as quatro nobres verdades da vida:

  • a realidade do sofrimento, ou dukkha: ele pode aparecer de diversas formas, e não conseguimos viver sem ele;
  • a origem do sofrimento, ou samudaya: ele surge a partir do desejo (karman) que, por sua vez, surge da ignorância;
  • o sofrimento tem um fim, ou nirodha: existe um caminho que podemos trilhar para cessar o sofrimento, envolvendo o estudo para combater a ignorância;
  • o caminho para o fim do sofrimento, ou magga: para trilhá-lo, é necessário seguir os oito momentos e, então, será possível livrar-se da samsara e atingir o nirvana.

5. Jainismo

O jainismo é uma religião antiga, também pautada no princípio da reencarnação, karma e samsara. Além disso, uma das suas principais filosofias é a existência da vida sagrada, ou seja, todos os seres presentes na Terra devem ser respeitados, pois carregam consigo uma essência divina.

É por isso que os jainas são vegetarianos, ainda que reconheçam o pecado que cometem ao alimentarem-se de plantas. Indo um pouco mais além, outro princípio fundamental dessa religião é a metempsicose, isto é, a crença de que a alma pode reencarnar no corpo de animais. Dessa maneira, há um grande respeito a todos os seres vivos que compõem nosso ecossistema.

Então, qual é a concepção que essa religião tem sobre o Universo? A resposta é muito simples: ele é infinito. Assim, não é relevante a existência ou não de um Deus — ou de diversos Deuses —, muito menos as explicações que sustentam a origem do universo ou grande criador. O mais importante é o aprimoramento espiritual que garante a libertação da samsara e a salvação eterna.

6. Vedismo

Você lembra que comentamos sobre a existência de muitos conceitos védicos no hinduísmo? Pois é, essa crença é uma das mais antigas da Índia e ofereceu diversas explicações para que outras religiões fossem criadas. Caracterizado como politeísta, o vedismo ficou conhecido por realizar diversos sacrifícios para o Deus do fogo, chamado de Agni.

Uma das características dos rituais védicos, assim como de outras religiões, é o uso de fogo e incenso. Na cultura ocidental ele é utilizado como forma de purificação, no entanto, em religiões orientais, a fumaça representa o Agni, que utiliza a fumaça como forma de comunicação entre o mundo mortal e celestial.

Até hoje, muito conhecimento védico é utilizado na religião hindu, principalmente por meio dos Vedas, um conjunto de livros que carregam consigo textos sagrados: Rigveda, ou livro dos hinos, Yajurveda, ou livro dos sacrifícios, Samaveda, ou livro dos cantos, Atarvaveda, ou livro das fórmulas mágicas.

Existem diversas religiões indianas e, como você pôde perceber ao longo deste artigo, elas relacionam-se entre si e apresentam conceitos importantes para a vida em harmonia e em equilíbrio. Além disso, oferecem filosofias que podem facilitar a construção de uma vida mais saudável e feliz.

E então, gostou do nosso artigo? Aproveite para continuar a sua leitura e descubra os benefícios que o incenso tem!

Você também pode gostar

Deixe um comentário