Cannot GET /api/stage
'; rockAnalyticsScript_V2.setAttributeNode(website); var host = document.createAttribute('data-host-url'); host.value = 'https://apidev.analytics.rockcontent.com'; rockAnalyticsScript_V2.setAttributeNode(host); document.body.appendChild(rockAnalyticsScript_V2); } });

Tigelas tibetanas e a terapia dos sons

Tigela tibetana
4 minutos para ler

O som é capaz de nos conectar ao presente e renovar o corpo e a alma! As tigelas que cantam, ou simplesmente: tigelas tibetanas, são instrumentos utilizados nas práticas de meditação e terapia do som. A origem é asiática e, apesar do nome “Tibetano”, elas vieram de regiões do Nepal, China e Japão.

Vem conhecer mais sobre esses instrumentos peculiares e os benefícios que eles podem trazer para você.

Afinal, o que são as tigelas tibetanas

De origem asiática e bem populares no Budismo, tradicionalmente as tigelas tibetanas são feitas de forma totalmente artesanal. Em média 3 a 4 pessoas ajudam a fundir 7 metais puros: chumbo, cobre, estanho, ferro, ouro, prata e zinco.

A escolha desses metais tem influência direta na qualidade da vibração e do som que será produzido pela tigela. Os 7 metais estão relacionados aos 7 planetas, às 7 notas musicais e aos 7 chakras (pontos de energia distribuídos pelo corpo).

O som das tigelas tibetanas é produzido quando um bastão de madeira é friccionado na borda de uma maneira contínua até ela começar a vibrar. Os sons afetam o organismo e podem influenciar as emoções, por exemplo.

As tigelas tibetanas carregam muitas crenças e histórias de sua criação. Acredita-se que elas existem há mais de 5 mil anos e a produção era feita somente com o cobre. Outras histórias falam que elas foram criadas a partir de metais sagrados vindos do céu, o que muito provavelmente seriam fragmentos de meteoritos encontrados nas montanhas do Himalaia. Mas a maioria das tigelas encontradas por historiadores são feitas com uma liga bem resistente de cobre e estanho de bronze.

A combinação de metais que encontramos hoje nas tigelas tibetanas é uma invenção mais moderna, com a intenção de apresentar mais efeitos sonoros e diferentes vibrações para os usos terapêuticos.

Terapia e meditação com tigelas tibetanas

A beleza das tigelas tibetanas é única, e são uma excelente opção de arte decorativa para a casa, principalmente para ambientes abertos, ou com bastante iluminação natural. Mas para além do charme decorativo, elas têm um lado terapêutico bem característico.

Uma das diversas formas de terapia com o objetivo de conectar a energia do ambiente ao sistema nervoso, é a terapia feita a partir de sons.

Independente da técnica usada, esse tipo de terapia busca trazer equilíbrio entre as frequências dos dois lados do cérebro promovendo um “ajuste” para que determinadas funções corporais funcionem normalmente. A partir disso é possível tratar doenças como hipertensão, enxaqueca, depressão, ansiedade, estresse.

A terapia proporcionada pelas tigelas tibetanas tem como base a fricção do bastão de madeira em sua borda para a produção de frequências sonoras. As tigelas podem estar vazias, ou até mesmo com ervas, incensos e água em seu interior para potencializar os sons emitidos e consequentemente os aromas também.

Os sons emitidos têm o poder de conectar o indivíduo ao presente e assim relaxar o corpo e a alma. Os monges tibetanos definem esses sons como o som do vazio e o som do coração, para que ao entrar no processo de relaxamento, a pessoa se liberte das culpas do passado e das ansiedades do futuro.

Dentre os diversos benefícios desse tipo de terapia destacamos:

  • O alívio de dores e tensões do corpo;
  • O relaxamento profundo;
  • A ativação da criatividade;
  • O aumento das defesas do corpo;
  • O equilíbrio entre os dois lados do cérebro;
  • A melhora do sono;
  • A diminuição da ansiedade e do estresse;
  • A melhora na concentração.

Para você que tem interesse em conhecer mais sobre os poderes terapêuticos e relaxantes desse instrumento, vem conhecer os modelos que temos disponíveis na Casa da Índia, basta clicar aqui para ir direto para o site.

Você também pode gostar

Deixe um comentário